Início

Olhar e ver

Esta exposição esteve patente ao público na cafetaria do Museu Municipal e constituiu uma amostra representativa de trabalhos realizados por alguns alunos do atelier de pintura do Compasso d'Arte.
 
A pedido e por insistência de alguns destes alunos, interessados em aprender a técnica da pintura a óleo, as aulas foram iniciadas em 2005, tendo prosseguido até ao presente. Os trabalhos expostos foram apenas uma pequena parte dos muitos produzidos durante este período. O orientador destas aulas é o pintor Rui Dias, licenciado em pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Um dos objectivos das aulas é ajudar os alunos a aprender a ver, que é diferente de olhar. Em geral todos olhamos… mas será que vemos? 
 
Quando nos obrigamos a representar aquilo para que olhamos damo-nos conta que não vimos como deveríamos ter visto, ou que não conhecemos muito bem aquilo que nos é familiar. É com o propósito desta educação do olhar que enveredamos por uma representação mais figurativa e naturalista, deixando que, depois disso e por criatividade pessoal, venham as novas figurações e as abstracções. Como podemos representar o que não vemos ou o que imaginamos? Como podemos representar uma ideia se ainda não conseguimos representar aquilo que vemos?
 
Nestas aulas procuramos incluir História e Teoria da Arte, bem como desenho e outras técnicas de pintura, mas elegemos a pintura a óleo como disciplina estruturante, que visa proporcionar aos alunos uma introdução ao universo da arte. Não obstante esta preocupação principal com a representação do que vemos, temos procurado desenvolver a capacidade de identificar e resolver os problemas técnicos da pintura, descobrir o prazer da arte, desenvolver a capacidade criativa e aprender a usar a arte como anti-stress.
 
Longe de pretendermos criar artistas, procuramos apenas fornecer as ferramentas para que, independentemente da idade e da experiência nesta área, possam desenvolver as capacidades para produzir trabalhos ou apreciar e julgar aqueles que lhes são dados a ver e no mínimo produzir uma sensibilidade e um apreço cada vez maior pelas coisas da arte e da cultura.
Actualizado em Quinta, 05 Agosto 2010 11:02